Os 3 Heróis Brasileiros Na Segunda Guerra Mundial

Os 3 Heróis Brasileiros Na Segunda Guerra Mundial

Confira Os 3 Heróis Brasileiros Na Segunda Guerra Mundial.Minas Gerais – Eles morreram em combate, na Itália, há 67 anos, em uma batalha desigual com as tropas alemãs, e, devido à grande bravura, foram reverenciados até pelos inimigos.
O mundo celebra os 67 anos do fim da II Guerra Mundial e os brasileiros têm muito que se orgulhar dos atos de bravura de três soldados mineiros. Geraldo Baêta da Cruz, então com 28 anos, natural de Entre Rios de Minas; Arlindo Lúcio da Silva, de 25, de São João del-Rei; e Geraldo Rodrigues de Souza, de 26, de Rio Preto, morreram como heróis em Montese, Itália, palco de uma das mais sangrentas batalhas do conflito com a participação da Força Expedicionária Brasileira (FEB).
Integrantes de uma patrulha, os três pracinhas mineiros se viram frente a frente com uma companhia alemã, composta de 100 homens. Receberam ordens para se render, mas continuaram em combate “até o último cartucho”, como se diz na caserna. Metralhados em 14 de abril de 1945, receberam, em vez da vala comum, as honras especiais do exércio alemão.
Admirado com a coragem e resistência dos mineiros, o comandante mandou enterrá-los em cova rasa e pôs uma cruz e uma placa com a inscrição: Drei brasilianische helden, que em bom português significa “três heróis brasileiros”. Acabada a guerra, eles foram trasladados para o cemitério de Pistóia, na Itália, e depois para o Monumento aos Pracinhas, no Aterro do Flamengo, Rio de Janeiro.
Muitos dos 25.334 brasileiros que foram à guerra podem ser considerados heróis, mas o trio ganhou o reconhecimento dos próprios inimigos, “o que os torna especiais”, explica o capitão Ary Roberto de Abreu, que coordena o bem-montado Museu da Associação Nacional dos Veterenos da Feb, no Regimento Tiradentes, em São João del-Rei, Campo das Vertentes, a 185 quilômetros de Belo Horizonte.
Em São João del-Rei e no município de Entre Rios de Minas, a 126 quilômetros de BH, fica boa parte desta história feita de glórias, dor, baionetas, sangue e muita saudade. No coração de parentes, ainda está a marca do dia da partida para o front, das noites sem dormir e do comunicado cruel sobre a morte.
“Tudo isso só não pode cair no esquecimento das novas gerações”, pede a irmã de Geraldo, Natanaela Baêta Morais, de 79, que guarda, como lembrança, todas as cartas do soldado e medalhas conquistadas nos campos da Itália e um pouco das cinzas do herói.

Posts Relacionados:

  1. Resumo perfeito da 2ª guerra mundial…
  2. 1 trilhão de reais pago de impostos pelos brasileiros…
  3. Qual é a diferença entre o casamento e a guerra?
  4. TOP 9 Serial Killers Brasileiros…
  5. Dica para te ajudar a relaxar na segunda-feira…
Esta entrada foi publicada em Curiosidade e marcada com a tag , , , , . Adicione o link permanenteaos seus favoritos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>